domingo, 16 de janeiro de 2011

Tragédia na região serrana do Rio: caos e descaso dos orgãos públicos

Em meio aos caos gerado pelas chuvas torrenciais na região serrana do Rio, acontece episódios que mostram o descaso dos orgãos públicos aqui no Brasil. Desde o dia 13, última quinta feira, o radar do Pico do Couto está inoperante, e com isso não é possível acompanhar o deslocamento das chuvas na região. Ora bolas, na calamidade que se encontra nas cidades afetadas, jamais poderia um radar ficar fora do ar, é algo de extrema necessidade tanto para o público, quanto para os orgãos de defesa civil e de meteorologia ver em tempo real ,como estão as chuvas sobre os pontos vulneráveis, e com certa antecedência evitar que aumente ainda mais a tragédia já causada.
O radar é de responsabilidade do ministério de Aeronáutica, e aí podem alegar que é devido a falta de energia elétrica que o radar parou de funcionar, pois é, mas existem fontes alternativas como geradores movidos a óleo diesel, que podem fazer com que mesmo sem energia elétrica continue funcionando normalmente. É evidente que tem um custo mais elevado, mas em meio ao dinheiro astronômico gasto pelo governo em propaganda e corrupção, é irrisório a quantia que seria gasto nisso. Aliás estão mais preocupados em construir estádios para a Copa do Mundo,e para as Olímpiadas, do que investir em prevenção de mega tragédias como essa, onde no caso tanto na área de meteorologia quanto em habitações o governo de concreto não fez, e pelo andar da carruagem nem fara nada para se evitar novas cenas de cortar o coração de qualquer ser humano vistas em cidades como Friburgo, Teresópolis e Petrópolis que simplesmente foram bombardeadas por uma guerra natural da natureza, mas onde as autoridades só se prontificam na hora que está tudo destruído,e não evitam que aconteça. Só um exemplo se existisse uma cooperação entre os orgãos governamentais, era possível evitar ou minimizar essas centenas de mortes, bastava acompanharem pelo radar as chuvas nos locais, e caso vissem a extremidade das chuvas nos locais retirassem as pessoas através de avisos por rádios nas ruas, ou seja a partir do momento em que as chuvas superassem a casa dos 70mm, já daria o aviso as casas que ficam nas encostas e abaixo das ladeiras desses morros.
A priori, isso causaria um pânico em muitas pessoas, mas de fato evitaria dezenas de mortes, com a evacuação dos locais, apenas as mais resistentes infelizmente morreriam por termer abondanar suas casas. Lamentavelmente isso que estou dizendo fica no campo hipotético, por que na realidade nada disso de concreto vai ocorrer, pois não aloiam uma palha para se combater e prevenir tragédias naturais aqui no Brasil. Não é a primeira, e nem será a última infelizmente que chuvas extremas causaram esses episódios na região, em 1966 e 1967 os índices pluviométricos foram semelhantes ou piores que estes na região, e o número de mortes na época foi bem menor, devido a urbanização e o número de habitantes ser infinitamente bem inferior, em relação aos atuais. Será que vão esperar mais tragédias como essa para os governos das três hierarquias, municipal, estadual e federal enxergarem isso?    

9 comentários:

  1. ei carlos muito bom seu post mostando o descaso das autoridades neste pais em telação a prevenção de catastrofes climaticas, vc vai voltar a postar regularemente agora pq o seu blog e sensacional cara precisamos de um blog que se dedica ao clima vlw pelo post e até mais.

    ResponderExcluir
  2. PARTE 1: Ola Amigo Carlos Alberto, é sempre um prazer ver seus posts. Aqui eu posso falar coisas que nao poderia dizer no forum do climatempo. Sobre a tragedia no Rio de Janeiro eu vou dar a minha opiniao e respeitarei quem nao concordar. Mas acredito que o menos culpado seja a chuva. Pra mim os grandes sao culpados somos nós mesmos, pois as prioridades no Brasil estao invertidas, o povao, aquele que mais sofre, que é grande parcela da populaçao brasileira é o maior culpado. Quem mora nos grandes centros como Sao Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e etc sofre com enchentes, com a violencia, com a péssima saude publica, com transito, com tranposte publico ruim, com escolas ruim, profisionais publicos mal preparados e etc. E pagamos muitos impostos pra quase nenhum retorno. Agora por que a culpa é da população??? Vou postar uns dados na parte 2.

    ResponderExcluir
  3. PARTE 2: Alguns dados de gastos com dinheiro publico no Rio de Janeiro: Reveillon 2011: Luan Santana (cache 1 Milhao e 300 mil reais), Zeca pagodinho (630 Mil reais) e Roberto Carlo (Valor nao divulgado e com certeza o mais caro de todos). Copa do Mundo: Reforma do Maracana (aprovado orçamento de 1 Bilhao e 300 milhoes de reais apenas para reformar o Maracana para a Copa que dura 1 mes). Olimpiadas: Ainda nao aprovado, mas especula-se algo em torno de 4 Bilhoes para a cidade do RJ sediar as Olimpiadas. Só lembrando que estes dados sao da Radio Jovem Pan de Sao Paulo. Isto me faz pensar o seguinte: com tantas prioridades que temos neste país deveriamos gastar tanto dinheiro publico com shows e eventos esportivos? Nao seria a hora da populaçao se unir da mesma forma que se une no carnaval e nos jogos do Brasil e cobrar firme das autoridades como fazem na Argentina e em países da Europa? Mas infelismente o Brasileiro (grande maioria) se preocupa em beber ate cair, em dançar funk, em quem vai sair na casa do BBB, quem matou quem na novela e nao se atenta pra coisas realmente importantes! Lógico que gosto de me divertir, gosto de futebol, vou no cinema, gosto de namorar, pescar, ir pra praia, tocar e etc...Mas nao podemos nos esquecer tambem de outras prioridades, pois enquanto a mentalidade do povo brasileiro nao mudar e nao começar a cobrar os governates nada ira mudar infelismente. Abraços ao amigo Carlos Alberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com o seu comentário !
      Você disse tudo !

      Excluir
  4. Sinceramente, o radar até poderia estar funcionando que não teria sido nada diferente, uma inofensiva chuva de verão de 10 minutos muitas vezes aparece mais ameaçadora no radar do que chuvas moderadas a fortes de maior duração com real potencial para causar problemas como as que atingiram a serra fluminense no começo da semana... mas existe um sistema que é muito mais útil que um radar, são estações automáticas de monitoramento de rios e chuva em tempo real do Inea em Nova Friburgo, e este sistema funcionou bem durante a noite do desastre, mostou a chuva se acumulando (não a chuva que aparece no radar, muitas vezes enganosa, mas a que de fato atingia o solo) e os rios alcançando o nível de transbordamento a cada 15 minutos, e não havia ninguém para acompanhar e emitir o alerta, na minha opinião mais um radar seria praticamente inútil na serra flumiense, mas sistemas que já existem e seriam muito mais eficientes são ignorados, as coisas vão muito mal. Sistemas de monitoramento com instrumentação em terra como o que já existe em Nova Friburgo são muito mais úteis para evitar tragédias do que genéricas imagens de radar, mas o que é útil de verdade é retirar as pessoas de das áreas de risco, aí sim poderão evitar a maior parte das mortes, e isso é um trabalho de médio e longo prazo, mesmo se começasse hoje uma grande mobilização ainda demoraria bastante para todas as áreas de risco serem desocupadas.

    ResponderExcluir
  5. O Willen toca num ponto importante mas eu acho que há outro. De maneira alguma quero entrar em discussão política mas o que vou dizer pode ser polêmico. No Brasil há um descaso secular e cultural dos governantes que, salvo raras exceções são oriundos das classes mais abastadas, com o povo e as classes mais desfavorecidas em geral. Em qualquer cidade média e grande do Brasil, fora as exceções que confirmam a regra, as áreas periféricas são quase abandonadas à própria sorte. Isto ocorre em São Paulo, Rio, BH, etc, etc. Aqui em São Paulo saiu até na grande imprensa que a prefeitura gasta, em média, 4 vezes mais por habitante nas áreas nobres que na periferia. Nas primeiras décadas do século XX, Sampa importou de Nova York bondes usados, com calefação. Advinhem onde eles circulavam? Nas áreas nobres dos jardins, na zona sul. Os passageiros de outros bairros continuavam passando frio. Este fato ilustra bem o tipo de mentalidade reinante até hoje. Por isso é necessário, também, que se faça pressão para mudar esta cultura, que vem da época da escravidão.

    ResponderExcluir
  6. IMPRESSIONANTE A DEMAGOGIA DO GOV, FEDERAL EM COLOCAR UM MINISTRO PARA ANUNCIAR QUE VÃO CONSTRUIR 500 CASA E GASTAR 24 MILHÕES DE REAIS ATE O FINAL DO ANO ,NÃO VAI DAR NEM PRO COMEÇO ONDE 90% DA POPULAÇÃO SERRANA PERDERAM TUDO , E, MAS,É SÓ CALCULAR 5OOO CASAS CONTRUIDAS NÃO CHEGARIA,AO IMPOSTO ARRECADADO EM UM CONCURSO DA MEGA SENA EM UMA SEMANA

    ResponderExcluir
  7. Agradeço o comentário de todos , Matheus Ramos, Willen Meres, Aldo, Rosimeire,e outro anônimo, rs, aliás diga-se de passagem comentários muito bem elaborados, e infelizmente a crônica do governo brasileiro é sempre a mesma,esperam a tragédia acontecer para socorrer, ao invés de prevenirem calamidades, pois infelizmente não será a última que chuvas extremas atingiram a região serrana do Rio. Um abraço bem forte a vocês!

    ResponderExcluir
  8. valeu pelo meu trabalho de giografia
    É noiz

    ResponderExcluir