sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Recorde absoluto de maior chuva registrada no Brasil: Itapanhaú/SP registra em 24 horas cerca de 622,5mm em 20 de junho de 1947






OBS: Fiz uma pesquisa em outras fontes,e realmente esse valor impressionante ocorreu, porém foi em 20 de junho de 1947, e não em julho como esse autor citou. Entre os dias 20 e 21 de junho de 1947, ocorreram chuvas superiores aos 200, 300mm em outras áreas próximas como Cubatão e Santos.


7 comentários:

  1. Material muito interessante, destes o maior em estação do Inmet foram os de Ubatuba e Santos (368,8 mm em 1934), o do Rio foi em abril de 1883, que ainda permanece como a segunda maior chuva registrada desde 1851 atrás apenas de 1966 (237 mm) na estação do centro.

    ResponderExcluir
  2. Alguns destes recordes já foram superados, como o de Florianópolis que passou de 400 mm em 1991, e não oficialmente em 1995 perto do natal também houve um registro de mais de 600 mm na encosta da serra catarinense.

    ResponderExcluir
  3. Guilherme Schwartz16 de outubro de 2010 16:04

    Nossa, que volume extraordinário! Muito interessante mesmo. Essa cidade fica no litoral de SP? O estranho é que ocorreu num período relativamente seco no sudeste.

    ResponderExcluir
  4. No litoral quase sempre chove no inverno, e nesta época as chuvas orograficas são mais frequentes e podem acumular muito, no Sumaré por exemplo em muitos anos chove mais em julho que no verão. No Rio mesmo a quarta maior chuva de todos os tempos foi em junho de 1916, e o centro nem recebe muita chuva orográfica, o que me leva a crer que choveu mmuito mais em outros bairros que ainda não eram monitorados como são hoje. A saber, as chuvas diarias acima de 200 mm no centro do Rio: 223 mm em 1883 (abril), 216,6 mm em 1897 (maio), 205,7 mm em 1916 (junho) e 237 mm em 1966 (janeiro), depois de 1966 (até hoje) e de 1851 até 1882 não passou de 200 mm nenhuma vez no centro. No Sumaré os dados só começam em 1997 e com certeza chuvas acima de 200 mm são muito mais frequentes, diria até quase anuais.

    ResponderExcluir
  5. Muito bacana os comentários e ilustrações sobre outras chuvas extremas ocorridas,inclusive estas no Rio em 1883, 1916 e 1966, e realmente o litoral e as escarpas de serra colaboram pra ocorrência para certos eventos extremos, potencializando as chuvas, o famoso efeito orográfico, abração a vocês!

    ResponderExcluir
  6. Guilherme Schwartz17 de outubro de 2010 12:12

    Mto boa a explicação do Anônimo. Imaginava mesmo que se tratava de chuva orográfica, mas não sabia a localização dessa cidade no estado de SP.

    ResponderExcluir
  7. A título de esclarecimento, Itapanhaú não é uma cidade mas uma localidade no alto da Serra do Mar, no município de Biritiba-Mirim, na região metropolitana de São Paulo, próximo à divisa com Bertioga, e também o nome de um rio, que nasce no planalto, no mesmo município, e literalmente despenca serra abaixo, desaguando no Canal de Bertioga, próximo ao Atlântico e ao lado da cidade de mesmo nome. Num dos formadores do Itapanhaú, o rio Sertãozinho, há uma pequena represa da antiga Light (Hoje Eletropaulo) onde fica (Ou ficava, não sei se ainda opera) o posto pluviométrico citado. Este posto tinha média anual de 4.457,8 mm. Em toda encosta da Serra do Mar, nesta região, chove muito mesmo.

    ResponderExcluir